13.04.2018 às 15h

Avaliação para identificar focos de reprodução do mosquito Aedes aegypti está em andamento em Atibaia

Prefeitura está percorrendo bairros e vistoriando imóveis para
levantamento de criadouros e definição de estratégias,
como ações preventivas e combativas

A Prefeitura da Estância de Atibaia está realizando uma avaliação para identificar focos de reprodução do Aedes aegypti e definir estratégias de prevenção e combate ao mosquito no município, já que ele é responsável pela transmissão de diversas doenças como a Dengue, o Zika Vírus e a Febre Chikungunya. A ação, intitulada “Avaliação de Densidade Larvária – ADL”, faz parte do Programa Nacional de Combate às Arboviroses, do Ministério da Saúde, e está programada para cinco áreas urbanizadas estabelecidas pela Secretaria de Saúde, com previsão de vistoria de 600 imóveis em cada região.

A Avaliação de Densidade Larvária consiste na amostragem de imóveis a serem vistoriados para a obtenção de informações objetivando o cálculo de índices de infestação do Aedes aegypti e dados sobre os recipientes encontrados. A partir do sorteio – por meio de sistema eletrônico – de quarteirões, os imóveis (residenciais e comerciais) são verificados em toda a área interna e externa, coletando-se separadamente amostras dos recipientes encontrados com larvas e listando os possíveis criadouros.

De acordo com a Secretaria de Saúde, a ação é importante porque cada uma das cinco regiões analisadas conta com um perfil distinto e requer, portanto, abordagens diferentes e específicas para o controle do Aedes aegypti. Há áreas em que a maioria das residências têm piscinas; outras cujos imóveis registram muitos vasos de plantas; outras com grande incidência de materiais inservíveis; entre inúmeros exemplos.

Ainda segundo a Secretaria de Saúde, as áreas foram definidas conforme norma técnica do Governo Estadual e também se baseiam em setores censitários constantes no banco de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

A avaliação teve início na cidade nesta quinta-feira (12), pela área 1, que compreende os bairros: Jardim dos Pinheiros, Jardim Morumbi, Ressaca, Loanda, Jardim Itaperi, Nirvana Parque Residencial, Jardim Siriema, Vila Santista, Cidade Satélite, Samambaia Parque Residencial, Jardim São Nicolau, Vila Gardênia, Vila Thaís, Vila Junqueira, Centro, Vila Salles, Jardim Brasil, CTB, Ponte, Vila Carvalho, Parque dos Coqueiros e Jardim Terceiro Centenário.

Nesta sexta-feira (13), a Prefeitura deu continuidade à avaliação, com equipes no Jd. dos Pinheiros e no Centro. Na sequência, a Secretaria de Saúde realizará o sorteio dos quarteirões da área 2 e promoverá as vistorias nesta região, e assim sucessivamente, ao longo das próximas semanas, com todas as cinco regiões.

A Prefeitura conta com a colaboração de toda a população e pede para que, após identificação dos funcionários, os munícipes permitam a entrada dos agentes em seus imóveis para verificação e orientação, ressaltando que serão observados apenas os possíveis criadouros. A Secretaria de Saúde ressalta que a Dengue, o Zika Vírus e a Febre Chikungunya não possuem vacinas e a identificação e eliminação dos focos do mosquito transmissor representam a única maneira de prevenir essas doenças.

Confira algumas dicas contra o Aedes aegypti:

É importante que cada munícipe reserve pelo menos dez minutos da semana e faça a vistoria em todo o seu imóvel (quintal, varanda, laje e, inclusive, o interior) à procura de pontos de acúmulo de água. Os locais onde o mosquito costuma colocar seus ovos e que devem ser checados são: ralos; vasos sanitários de pouco uso; piscinas; caixas d’água; calhas; bandejas de ar-condicionado e de geladeira; pratinhos de plantas; os próprios vasos; garrafas PET e de vidro; baldes; saquinhos plásticos; pneus; lonas; entre outros itens que possam acumular água.

Dessa forma, o munícipe deve: colocar areia nos pratinhos de plantas e lavá-los com água e sabão (ou então descartá-los); trocar a água e lavar vasos de plantas aquáticas; lavar utensílios usados para guardar água em casa; guardar garrafas tampadas ou com a boca para baixo; remover tudo que possa impedir a água de correr pelas calhas; manter a caixa d’água sempre fechada com tampa adequada; não jogar lixo em terrenos baldios; não deixar a água da chuva acumulada sobre a laje; manter tonéis e barris de água bem tampados; guardar pneus em locais cobertos; entre outras medidas.

Para se proteger também é recomendado colocar espirais ou vaporizadores elétricos ao amanhecer e/ou no final da tarde, antes do pôr-do-sol (horários em que os mosquitos mais picam); usar mosquiteiros, principalmente em casa com crianças; usar repelente (com cuidado quando aplicado em crianças e idosos); utilizar telas em portas e janelas.