16.04.2018 às 10h

Campanha de vacinação contra a Influenza começa dia 23 de abril

Prefeitura receberá a vacina de forma parcelada,
seguindo determinação do Ministério da Saúde para estados e municípios,
por isso a campanha será realizada em etapas junto aos grupos prioritários

Tem início no próximo dia 23 de abril a campanha de vacinação contra a Influenza em Atibaia. A ação no município integra a campanha nacional, cuja previsão de duração é até junho deste ano. O “dia D” será realizado em 12 de maio (sábado), data em que postos de saúde e postos volantes em todo o país aplicarão as vacinas das 8h às 17h.

A Prefeitura da Estância de Atibaia receberá, em função do escalonamento definido pelo Ministério da Saúde para estados e municípios, a vacina Influenza de forma parcelada e, por isso, a campanha será realizada em etapas: a partir do dia 23 de abril para profissionais de saúde, indígenas e pessoas com 60 anos ou mais; a partir do dia 2 de maio para crianças entre 6 meses e menores de 5 anos de idade, gestantes e puérperas (mães no pós-parto); e a partir do dia 9 de maio para casos de pacientes portadores de doenças crônicas graves, professores e privados de liberdade. Para receber a vacina, o munícipe deverá se dirigir à unidade de saúde mais próxima de sua casa. As pessoas com doenças crônicas devem apresentar carta do médico atestando a indicação.

A Influenza é uma doença que ocorre durante todo o ano, mas com maior frequência no outono e inverno, quando caem as temperaturas, principalmente nas regiões sul e sudeste do país. Algumas pessoas, como idosos, crianças, gestantes e pessoas que já convivem com condições crônicas importantes, como doenças do coração, do pulmão, renais, imunodeficiências, possuem maior risco de desenvolver complicações devido à Influenza.

Conforme lembra a Secretaria de Saúde de Atibaia, a melhor maneira de se prevenir contra a doença é vacinar-se. No Brasil, a vigilância da doença é realizada pela investigação laboratorial da Síndrome Gripal em unidades sentinelas e da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

Em boletim publicado no dia 11 de abril, o Ministério da Saúde mostra que, em 2018, até 31 de março, diversos vírus de transmissão respiratória têm circulado no país, entre os quais: Influenza B; Influenza A não tipado; Influenza AH1N1; e Influenza AH3N2. Este último vírus está sendo preponderante na atual temporada de Influenza nos EUA, que se encontra em seu ápice. No comunicado, o Ministério da Saúde ainda informa que não existe uma cepa “H2N3” de vírus da influenza no Brasil. “Essa é uma informação inverídica que está circulando nas mídias sociais”, alerta a publicação.

Durante a campanha de vacinação realizada em 2017, Atibaia aplicou 27.266 doses de vacina, atingindo cobertura de 90,24% no público-alvo, que era de 30.154. Com as vacinas aplicadas no público-alvo e nas pessoas com condições crônicas, professores e outros grupos que não entram no cálculo de cobertura, a cidade aplicou, no total, 45.828 doses de vacina.

Recomendações

É fundamental que as pessoas prestem atenção às medidas preventivas à transmissão do vírus Influenza, que são: etiqueta respiratória, lavagem das mãos e uso de álcoo em gel, assim como busca de atendimento médico em caso de sinais e sintomas compatíveis, para que seja feito o diagnóstico precoce e início de tratamento com o medicamento Oseltamivir, nos casos de síndrome gripal em pessoas de risco e síndrome respiratória aguda grave nos pacientes internados com suporte ventilatório.

Síndrome Gripal

Há suspeita de síndrome gripal se a pessoa apresenta febre de início súbito, mesmo que só referida, não medida, acompanhada de tosse ou dor de garganta e pelo menos um dos seguintes sintomas: dor de cabeça, dores musculares ou nas articulações, sem que haja outro diagnóstico que justifique o quadro. Em crianças com menos de dois anos de idade, considera-se também como caso de síndrome gripal: febre de início súbito (mesmo que referida) e sintomas respiratórios (tosse, coriza e obstrução nasal), na ausência de outro diagnóstico específico.

Síndrome Respiratória Aguda Grave

Há suspeita de síndrome respiratória aguda grave se uma pessoa de qualquer idade, com síndrome gripal, apresenta falta de ar e/ou os seguintes sinais de gravidade: queda do nível de oxigênio no sangue, falta de ar ou desconforto respiratório ou aumento da frequência respiratória, piora nas condições clínicas de doença de base. Na temporada de Influenza, qualquer indivíduo com insuficiência respiratória grave deve ser considerado suspeito.

Como evitar?

Há várias medidas preventivas que podem evitar a transmissão da Influenza e de outras doenças respiratórias, como:
• Frequente higienização das mãos, principalmente antes de consumir algum alimento;
• Utilizar lenço descartável para higiene nasal e cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
• Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca e higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
• Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
• Manter os ambientes bem ventilados e evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de Influenza. Evitar aglomerações e ambientes fechados;
• Evitar sair de casa em período de transmissão da doença;
• Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos;
• Orientar o afastamento temporário (trabalho, escola etc.) até 24 horas após cessar a febre.

Atualização: 20/04, às 11h47